O Trabalho de Limpeza Espiritual de São Miguel Arcanjo

Você pode fazê-lo para você, para outras pessoas, crianças, locais, situações, animais, e para o planeta.

Este trabalho limpa com eficiência, rapidez e segurança: energias negativas, tais como pactos, decretos, artefatos, implantes, magias, formas pensamento, etc. Encaminha almas, obssessores, parentes falecidos que permanecem ligados, inimigos de outras vidas, e os anjos decaídos que estão em atuação neste momento no mundo.

Faça o de preferência em voz alta (para não perder o foco), embora também possa ser feito mentalmente, em qualquer lugar, hora ou momento.

Não julgue, não se escandalize, não tema, apenas tenha em mente que em qualquer situação a ser tratada, abra seu coração ao amor e perdão. Pois só o perdão libera, só o amor cura.

1. Eu visualizo, ou peço - se não conseguir visualizar -, um octaedro de luz envolvendo a mim mesmo e a(s) pessoa(s), situação e local que necessitam de limpeza.

O octaedro é uma forma geométrica de oito faces, no caso duas pirâmides de 4 faces superiores coladas pela base.

2. Peço pela presença de São Miguel Arcanjo e seus anjos de luz.

  • Peço que todas as energias negativas de qualquer origem sejam limpas e transmutadas.
  • Peço que todas as entidades intrusas sejam amorosamente encaminhadas aos planos superiores de luz.
  • Peço que os senhores das sombras (ou anjos decaídos) retomem sua luz e retornem ao coração de Deus.

3. Oro a Deus... use mantras, orações, símbolos do Reiki, nomes sagrados do hebraico, enquanto sente que toda a situação é limpa (de dois a cinco minutos normalmente, poucas vezes leva mais tempo que isso).

4. Abençoo a mim mesmo, ou as pessoas, situações e/ou locais envolvidos.

5. Eu agradeço a São Miguel e sua falange de luz!

10 de maio de 2017

Uma invasão silenciosa

Resultado de imagem para flores silvestres
Na superfície da Terra, exatamente agora, há guerras e violência e tudo parece negro. Mas, simultaneamente, algo silencioso, calmo e oculto está acontecendo e certas pessoas estão sendo chamadas por uma Luz mais elevada. 

Uma revolução silenciosa está se instalando de dentro para fora. De baixo para cima. É uma operação global. Uma conspiração espiritual. Há células dessa operação em cada nação do planeta. Vocês não vão nos assistir na TV, nem ouvir nossas palavras nos rádios e nem ler sobre nós nos jornais. 

 Não buscamos a glória. Não usamos uniformes. Nós chegamos em diversas formas e tamanhos diferentes. Temos costumes e cores diferentes. A maioria trabalha anonimamente. Silenciosamente trabalhamos fora de cena, em cada cultura e lugar do mundo. Nas grandes e pequenas cidades, em suas montanhas e vales. Nas fazendas, vilas, tribos e ilhas remotas. 

Você talvez cruze conosco nas ruas. E nem perceba... Seguimos disfarçados. Ficamos atrás da cena. E não nos importamos com quem ganha os louros do resultado, e sim, que se realize o trabalho. De vez em quando nos encontramos pelas ruas. Trocamos olhares de reconhecimento e seguimos nosso caminho. 

Durante o dia muitos se disfarçam em seus empregos normais. Mas a noite, por trás de nossas aparências, o verdadeiro trabalho se inicia. Alguns que conhecem o trabalho nos chamam de "O Exército da Consciência". Lentamente estamos construindo um novo mundo, com o poder de nossos corações e mentes. 

Seguimos com alegria e paixão. Nossas ordens nos chegam da Inteligência Espiritual e Central. Estamos jogando bombas suaves de amor sem que ninguém note: poemas, abraços, músicas, fotos, filmes, palavras carinhosas, meditações e preces , danças, ativismo social, sites , blogs, atos de bondades. O mundo precisa de amor! 

Expressamo-nos de uma forma única e pessoal, com nossos talentos e dons. Sendo a mudança que queremos ver no mundo. Essa é a força que move nossos corações. Sabemos que essa é a única forma de conseguir realizar a transformação. Sabemos que no silêncio e humildade teremos o poder de todos os oceanos juntos. 

Nosso trabalho é lento e meticuloso. Como na formação das montanhas. O amor será a religião do século XXI. Sem pré-requisitos de grau de educação. Sem requisitar um conhecimento excepcional para a sua compreensão. Porque nasce da inteligência do coração, escondida pela eternidade no pulso evolucionário de todo ser humano. 

Seja a mudança que quer ver acontecer no mundo. Ninguém pode fazer esse trabalho por você. Nós estamos recrutando. Talvez você se junte a nós ou talvez já tenha se unido. Todos são bem-vindos. A porta está aberta!

Emmanuel!

25 de abril de 2017

O encontro com o divino

Resultado de imagem para flores silvestres


Eu não sabia o que buscava, não tinha a menor idéia do que estava por acontecer. Não foi por acaso, pois sempre senti que um dia, minha vida se transformaria, que eu renasceria, e minha vida, até então, seria apenas uma sombra daquela que eu estava por viver.

Tive uma vez uma visão: me vi tateando às cegas por um escuro caminho. Penosamente, vagarosamente eu me deslocava, tateando com as mãos e os pés cada pedaço do caminho mergulhado na escuridão. Ocorreu-me de levar as mãos aos olhos, e descobri que usava uma máscara de mergulhador, totalmente negra, e que esta era o motivo de minha cegueira.

Acordei de minha visão, era assim que eu realmente me sentia, em meio ao breu, a tatear pela vida, a procura de enxergar a estrada do porvir. Até quando?

Minha entrada para a Unipaz aplacava minha angústia. Emocionava-me a cada vez que lá estava, e tão intensamente me entregava, que passei a viver experiências inusitadas, de transcendência, de morte. Um dia percebi que estava vivendo uma experiência de cura, pessoal e profunda, sem mestre ou guru. Como se meu próprio Ser se encarregasse de cada momento a ser vivido. Vi-me nas mágicas mãos do destino, que com desvelo me cuidava. Senti-me fechar dentro de mim, como num casulo, e assim me vi a mexer em cada ferida da alma, camada por camada.

Foi assim que a cada mês, a cada semana, a cada dia, eu sentia aproximar-se um momento especial, do qual eu não tinha idéia. Um momento de acordar, de nascer, e intensa era esta sensação, embora fosse silenciosa em meu coração.

E este dia chegou, tão simples, tão profundo. Eu estava em casa, ouvia música e dançava meu CD favorito. Mais uma vez me emocionei, senti um amor profundo em minha alma, havia em mim liberdade, inteireza, amor, paz e uma profunda emoção. Quem é esta pessoa que assim se sente? Quem é esta mulher cheia de emoção e amor? A resposta era tão óbvia: “_ Esta sou eu!” Em tantos momentos mágicos eu assim me sentira, mas estes momentos passavam e eu não me identificava com eles, não sabia que representavam minha verdadeira realidade. Eu vivera toda minha vida me esquecendo de quem eu realmente sou! Agora eu estava diante de mim mesma, do Ser pleno, livre, amoroso e criativo que me habita, que habita a todos nós. A consciência de quem Eu sou, acabava de transformar minha existência, era por esse momento que eu estava aguardando por toda a minha vida. Simplesmente, o instante de vivenciar, conscientemente, minha realidade interior. Logo depois, eu peguei o livro que me acompanhava, em minha jornada, e a página que me aguardava é esta que adapto a seguir:

“Quando o tempo não era conhecido, como hoje nós o conhecemos, houve uma centelha no coração de Deus. Desta centelha surgiram milhares de estrelas, e cada uma delas teve seu nome escrito pela palavra de Deus. Essas estrelas somos nós.

No início não tínhamos forma, éramos totalmente livres e brincávamos de criar e tomar a forma que quiséssemos. Assim tomamos as formas das pedras e dos minerais, das plantas, das árvores e dos animais.

De tanto brincar de tomar formas, passamos a nos identificar com elas, nasceu a sombra, e da sombra a dor. Aos poucos fomos nos esquecendo de que éramos luz e éramos livres, fomos nos esquecendo de nós mesmos...

Um dia ouvimos um grito de dor vindo de algum lugar do espaço. Procuramos por este grito e encontramos um pequeno planeta azul e branco, que clamava por ajuda. Querendo ajudar, aspiramos uma pequena forma humana e nascemos dentro de mais ou menos nove meses.

Ao nascer, ou mesmo antes disso, havíamos nos esquecido de quem éramos. Acabamos por nos identificar com a forma e com a dor que viemos curar.

Mas a Luz que em nós habita sempre clamou por um dia emergir, e quando éramos crianças, em nossas fantasias e anseios desejamos curar uma dor no mundo, a nossa própria dor. Queríamos ser poetas ou curar todas as doenças do mundo. Queríamos cantar ou dançar, queríamos amar ao mundo todo, proteger cada bichinho e cada planta do planeta.

Qualquer que fosse nossa fantasia ou anseio, ela está extremamente ligada à dor mais pungente que sentimos quando éramos crianças, a dor que ainda hoje experimentamos, talvez localizada em alguma parte de nosso corpo. A dor que carregamos ao longo de nossas existências.

Mas trazemos em nós o potencial de curar esta dor que nos habita, esta dor que habita o mundo. Foi para isto que aqui um dia encarnamos, é para isto que estamos preparados.

Falta apenas ser a Luz que somos. Pois esta Luz é nosso curador interno, esta Luz é, realmente, cada um de nós...” (Luz Emergente - 
Barbara Ann Brennan).

Este texto fala de mim mesma, do momento especial que eu acabara de vivenciar, fala de como eu me esquecera de mim mesma, de minha origem divina, celestial, fala da dor de encontrar este momento. Eu realmente não estava só, mas guiada por invisíveis mãos que colocavam as respostas de minha vida a minha frente.

Eu havia construído um outro eu, mais normal, mais prático, mais insensível e distante de minhas profundas emoções. Agora que sei quem realmente sou, eu desejo nunca mais me esquecer. Quero para sempre carregar em meu coração esta emoção, quero trazer para todos os meus dias a luz que em mim jazia adormecida e que agora acorda para me trazer a vida que sempre intuí.

E se dou agora este testemunho, é para dizer que esta viagem não é fantasia, é real, mas é preciso vivê-la. Este caminho interior que trilhei, é um caminho sem volta para todos aqueles que nele se aventurarem. É um caminho infinito, pois infinita é a alma humana, infinita como Deus, infinita como o Universo...

Sinto-me hoje diferente. Sinto que em mim alguma coisa profunda mudou. Compreendo agora minha dor, vivida em tantas existências humanas. Compreendo agora meus anseios de criança. É como se um grande quebra-cabeça se fechasse. Tantas coisas fazem sentido em minha vida, tudo que eu vivi, tudo que senti, tantos sonhos...

Na noite seguinte, tive uma linda visão: vi-me diante de um caminho sinuoso, circundado por alta cerca viva, que dava vista para um jardim, logo adiante. Neste caminho, dezenas de pequenas borboletas azuis, cintilantes, voavam a minha frente. Eu já não mais tateava às cegas o caminho, a venda de meus olhos caíra. Conscientemente, posso trilhar meu caminho, a consciência de minha Luz ilumina meu porvir.

Todos nós vivemos o encontro com o divino, muitas vezes em nossas vidas, diante da beleza da natureza, diante da delicadeza de uma criança, em um encontro de motivações espirituais, diante de um grande amor. São momentos em que nos emocionamos e nos deparamos com o inesgotável manancial de amor que possuímos, quando já não mais nos sentimos separados da natureza e da humanidade que nos cerca. Quando nos sentimos unos com o universo e todas as suas criações. Neste momento sentimos que estamos a adentrar uma outra dimensão, uma dimensão profunda e plena de amor e luz. Não nos identificamos neste encontro, este momento passa, e se torna uma lembrança de êxtase e mistério em nossa vida, até que possamos entender que este êxtase é nossa verdadeira realidade, o outro eu, que mora neste mundo, é apenas a personalidade que criamos para viver, fugindo do medo e da dor. Reencontrar a Luz que somos é o retorno à casa do Pai, o retorno a nossa origem celestial, ao nosso verdadeiro Eu, nossa face Divina.

Este é o momento que tanto aguardávamos, após nossa longa viagem de alguns milhares de anos... Estamos diante do tesouro pelo qual procuramos algures, o qual somente encontramos em nosso coração, a nossa Estrela, a nossa Luz que nos ilumina. Chegamos ao vasto mar no qual agora mergulhamos: o mar de amar, o mar de Ser, o mar de Deus...

Somos outros homens, outras mulheres! Ungidos, abençoados na alma, como que beijados por um anjo! Nunca mais nossa vida será a mesma, temos todos um único destino, o destino de ser Luz sobre a Terra, e doravante, despertar a Luz no mundo!


(De Volta à Casa do Pai - Ana Ventura)

6 de abril de 2017

O que representa e como fazer o Trabalho de Limpeza Espiritual de São Miguel Arcanjo

Resultado de imagem para natureza azul
Este trabalho representa uma cura verdadeira para nós, para os que estão ao nosso lado no plano visível ou invisível, e para o mundo.

A cura absoluta que buscamos, que em Um Curso em Milagres, vem a ser chamada de Salvação, é o nosso despertar. Quando não mais precisaremos vasculhar e limpar o passado de cada marca que trazemos na alma, quando veremos todas as coisas e experiências que temos vivido no mundo como mera ilusão. Nesse despertar tudo absolutamente será limpo, tudo e todos em nossas experiências estarão perdoados, e nós novamente nos reconheceremos como somos, em nossa essência divina.

Tem sido um longo caminho, esta a volta a quem nós somos. Uma jornada por vezes penosa, muitas vezes cheias de luz e lágrimas de amor e vida, cheia de beleza e contundente verdade. Só quem a empreendeu sabe dizer, e sei que somos muitos nesta caminhada.

Muitos instrumentos nos tem sido oferecidos, e todos são preciosos. Terapias de cura, de autoconhecimento, grupos de ajuda e terapêuticos de todos os tipos, livros e espiritualidade. Não nos falta ajuda, basta apenas observar a nossa volta, e dar os passos em direção a nossa luz.

Este trabalho também se encontra no rol dos instrumentos luminosos que nos são ofertados nesta fase em que passamos, onde vemos os duelos da luz e sombra no mundo.

Eu também sou uma buscadora de mim mesma, a assim tenho empreendido minha jornada, com gratidão a todos e aos conhecimentos que me têm apoiado. E como a necessidade é mãe do conhecimento, a necessidade me fez encontrar este fantástico trabalho, e desde então ele se tornou imprescindível para mim.

Tão formidável que não posso deixar de compartilhá-lo com o mundo. É fácil e o coloco a disposição neste blog, e para quem quiser treiná-lo de forma mais efetiva eu o ofereço em um curso.

São Miguel é o Ser encarregado de encaminhar as almas que partem deste planeta. É também responsável pela limpeza e purificação das energias deletérias que fabricamos com nossas mentes e emoções não curadas. Neste trabalho não precisamos usar nenhum objeto, nenhum símbolo, nenhum mantra, é apenas um pedido que fazemos, e que não pode deixar de ser atendido.

Nós pedimos, São Miguel nos socorre. Simples assim. Por não necessitar de nenhum artifício, por ser realizado com compaixão e perdão, sem julgamento algum (é tudo que é solicitado a quem realiza este trabalho), está de acordo com o plano de salvação que Deus nos proporciona.

Estou experimentando fazê-lo de forma ainda mais fácil, e é exatamente isso que agora coloco para vocês em simples passos explicativos.

Você pode fazê-lo para você, para outras pessoas, crianças, locais, situações, animais, e para o planeta.

Este trabalho limpa com eficiência, rapidez e segurança: energias negativas, tais como pactos, decretos, artefatos, implantes, magias, formas pensamento, etc. Encaminha almas, obssessores, parentes falecidos que permanecem ligados, inimigos de outras vidas, e os anjos decaídos que estão em atuação neste momento no mundo.

Faça o de preferência em voz alta (para não perder o foco), embora também possa ser feito mentalmente, em qualquer lugar, hora ou momento.

Não julgue, não se escandalize, não tema, apenas tenha em mente que em qualquer situação a ser tratada, abra seu coração ao amor e perdão. Pois só o perdão libera, só o amor cura.

1. Eu visualizo, ou peço - se não conseguir visualizar -, um octaedro de luz envolvendo a mim mesmo e a(s) pessoa(s), situação e local que necessitam de limpeza.

O octaedro é uma forma geométrica de oito faces, no caso duas pirâmides de 4 faces superiores coladas pela base.

2. Peço pela presença de São Miguel Arcanjo e seus anjos de luz.


  • Peço que todas as energias negativas de qualquer origem sejam limpas e transmutadas.
  • Peço que todas as entidades intrusas sejam amorosamente encaminhadas aos planos superiores de luz.
  • Peço que os senhores das sombras (ou anjos decaídos) retomem sua luz e retornem ao coração de Deus.
3. Oro a Deus... use mantras, orações, símbolos do Reiki, nomes sagrados do hebraico, enquanto sente que toda a situação é limpa (de dois a cinco minutos normalmente, poucas vezes leva mais tempo que isso).

4. Abençoo a mim mesmo, ou as pessoas, situações e/ou locais envolvidos.

5. Eu agradeço a São Miguel e sua falange de luz!



1 de fevereiro de 2017

Um Curso em Milagres, lição 163

"Pai nosso, abençoa os nossos olhos hoje. Somos os Teus mensageiros e queremos contemplar o glorioso reflexo do Teu Amor que brilha em todas as coisas. Vivemos e nos movemos só em Ti. Não estamos separados da Tua vida eterna. Não há morte, pois a morte não é Tua Vontade. E nós habitamos onde nos colocaste, na vida que compartilhamos Contigo e com todas as coisas vivas, para sermos como Tu és e parte de Ti para sempre. Aceitamos os Teus Pensamentos como nossos e a nossa vontade é una com a Tua eternamente. Amém."

24 de novembro de 2016

De onde viemos

Resultado de imagem para passarinhos
"Eu venho de lá, onde o bem é maior. De onde a maldade seca, não brota. De onde é sol, mesmo em dia de chuva e a chuva chega como benção.

Lá sempre tem uma asa, um abrigo para proteger do vento e das tempestades.

Eu venho de um lugar que tem cheiro de mato, água de rio logo ali e passarinho em todas as estações.

Eu venho de um lugar em que se divide o pão, se divide a dor e se multiplica o amor.

Eu venho de um lugar onde quem parte fica para sempre, porque só deixou boas lembranças.

Eu venho de um lugar onde criança é anjo, jovem é esperança e os mais velhos são confiança e sabedoria.

Eu venho de um lugar onde irmão é laço de amor e amigo é sempre abraço. Onde o lar acolhe para sempre, como o coração de mãe.

Eu venho de um lugar que é luz mesmo em noite escura. Que é paz, fé e carinho.

Eu venho de lá e não estou sozinho, “sou catador de lindezas”, sobrevivo de encantamento, me alimento do que é bom, do bem.

Procuro bonitezas e bem querer, sobrevivo do que tem clareza e só busco o que aprendi a gostar.

Não esqueço de onde venho e vou sempre querer voltar.

Meu lugar se sustenta do bem que encontro pelo caminho, junto a maços de alfazema e alecrim.

Assim, sou como passarinho carregando a bagagem de bondade, catando gravetos de cheiro, para esquentar e sustentar o ninho...

Talvez a vida tenha feito você acreditar que este lugar não existe. Te digo: tem sim, é fácil encontrar.

Silencie, respire, desarme-se, perceba, é pertinho. Este lugar que pulsa amor é dentro da gente, é essência, está em cada um de nós. Basta a gente buscar."

autor desconhecido, enviado por Virgínia

13 de outubro de 2016

O campo de abacaxis


Esta é uma história verídica. A história do campo de abacaxis aconteceu na Nova Guiné. 

Ela durou sete anos. É uma ilustração profunda de um princípio bíblico básico aplicado. Ao ler este relato original, você descobrirá que ele é um exemplo clássico do tipo de lutas que cada um de nós enfrenta até que aprenda a aplicar o princípio de renúncia aos direitos pessoais.

“Minha família e eu trabalhamos com pessoas bem no meio da selva”. Um dia, resolvi levar para aquela região alguns abacaxis. O povo já tinha ouvido falar de abacaxis. Alguns já os haviam provado, mas não tinham meios de consegui-los. Busquei então, mais de cem mudas de uma outra missão. Contratei um homem da aldeia, e ele plantou todas as mudas. Eu o paguei pelo serviço prestado (sal e diversas outras coisas que necessitava) e durante dias ele trabalhou. Precisei ter muita paciência até que as pequenas mudas de abacaxi se tornassem arbustos grandes e produzissem abacaxis.

Demorou uns três anos. Lá no meio da selva, você às vezes tem saudades de comer frutas. Não é fácil conseguir frutas e verduras frescas.

Finalmente, no terceiro ano, pudemos ver surgir abacaxis que davam “água na boca”, e só estávamos esperando o Natal chegar, porque é nesta época que eles ficam maduros. No dia de Natal minha esposa e eu saímos ansiosos para ver se algum abacaxi já estava pronto para ser tirado do pé, mas tivemos uma surpresa desagradável após a outra. Não conseguimos colher nem um só abacaxi.

Os nativos haviam roubado todos! Eles os roubavam antes de ficarem maduros. É costume deles, roubar antes que as frutas amadureçam e assim o dono não as possa colher.

E aqui estou eu, um missionário, ficando com raiva dessas pessoas. Missionários não devem ficar com raiva, vocês todos sabem disto, mas fiquei e eu disse a eles: “rapazes, eu esperei três anos por estes abacaxis. Não consegui colher um único deles. Agora outros estão amadurecendo, se desaparecer mais um só destes abacaxis, fecharei a minha clínica”.

Minha esposa dirigia a clínica. Ela dava gratuitamente todos os remédios àquela gente. Eles não pagavam nada! Nós estávamos nos desgastando tentando ajudá-los, cuidando de seus doentes e salvando as vidas de suas crianças. Os abacaxis ficaram maduros e um por um foi roubado! Então achei que deveria me defender deles. Eu simplesmente não podia deixar que fizessem comigo o que queriam... Mas a verdadeira razão não era esta.

Eu era uma pessoa muito egoísta, que queria comer abacaxis. Fechei a clínica. As crianças começaram a adoecer, não podiam evitar, a vida era bastante difícil naquela região. Vinham pessoas com gripe, tossindo e pedindo remédio e nós dizíamos: “Não! Lembrem-se que vocês roubaram nossos abacaxis”. “Não fui eu!” – eles respondiam – “foram os outros que fizeram isso”. E continuaram tossindo e pedindo. Não conseguimos manter mais a nossa posição; reabrimos a clínica. Abrimos a clínica e eles continuaram roubando nossos abacaxis.

Fiquei novamente louco raiva e resolvi fechar o armazém.

No armazém eles compravam fósforos, sal, anzóis, etc.

Antes eles não tinham essas coisas, por isso não iriam morrer sem elas. Comuniquei minha decisão: “vou fechar o armazém, vocês roubaram mais abacaxis”.

Fechamos o armazém e eles começaram a resmungar: “vamos nos mudar daqui porque não temos mais sal. Se não há mais armazém, não há vantagem para ficarmos aqui com esse homem. Podemos voltar para nossas casas na selva” e se mudaram para a selva.

E ali estava eu, sentado comendo abacaxis, mas sem pessoas na aldeia, sem ministério, sem condições de aprender a língua para traduzir a Bíblia. Falei com minha esposa: “Podemos comer abacaxis nos Estados Unidos, se é só o que temos para fazer”.

Um dos nativos passou por ali, e eu lhe pedi para avisar que na segunda-feira abriria novamente o armazém. Pensei e pensei em como resolver o caso dos abacaxis... Meu Deus! Deve haver um jeito o que posso fazer?

Chegou o tempo de minha licença e eu aproveitei para ir a um Curso Intensivo para Jovens. Lá ouvi que deveríamos entregar tudo a Deus. A Bíblia diz que se você der você terá; se quiser guardar para si, perderá tudo. Dê todas as suas coisas a Deus e Ele zelará para que você tenha o suficiente.

Este é um princípio básico. Pensei o seguinte: “amigo, você não tem nada a perder. Vou entregar o caso dos abacaxis a Deus...” Eu sabia que não era fácil fazer um sacrifício! Sacrificar significa você entregar algo que você gosta muito, mas eu decidi dar a plantação de abacaxis a Deus e ver o que Ele faria. Assim, saí para plantação, à noite e orei: “Pai, o Senhor está vendo estes pés de abacaxis? Eu lutei muito para colher alguns. Discuti com os nativos, exigi meus direitos. Fiz tudo errado, estou compreendendo agora. Reconheço o meu erro, e quero entregar tudo ao Senhor. De agora em diante, se o Senhor quiser me deixar comer algum abacaxi, eu aceito caso contrário, tudo bem, não tem problema.” Assim, eu dei os abacaxis a Deus e os nativos continuaram roubando-os como de costume. Pensei com meus botões: “Deus não pôde controlá-los” Então um dia, eles vieram falar comigo: “Tu-uan (que significa estrangeiro) o senhor se tornou cristão, não é verdade?” Eu estava pronto para dizer: “Escute aqui, eu sou cristão já há vinte anos!”, mas em vez disto eu perguntei: “por que vocês estão perguntando isso?” “Porque o senhor não fica mais com raiva quando roubamos seus abacaxis”, eles responderam. Isso me abriu os olhos. Eu finalmente estava vivendo o que estivera pregando a eles. Eu lhes tinha dito que amassem uns aos outros, que fossem gentis, e sempre exigia os meus direitos e eles sabiam disso. Depois de algum tempo alguém perguntou: “Por que o senhor não fica mais com raiva?” “Eu passei a plantação adiante”, respondi, “ela não pertence mais a mim, por isso vocês não estão mais roubando os meus abacaxis e eu não tenho motivos para ficar com raiva”.

Um deles arriscando perguntou: “para quem o senhor deu a plantação?” então eu disse: “Dei a plantação para Deus”.

“A Deus?” – exclamaram todos – “ele não tem abacaxis onde mora!” “Eu não sei se lê tem ou não abacaxis onde mora”, respondi – “eu simplesmente lhe dei os abacaxis”.

Eles voltaram para a aldeia e disseram para todos: “vocês sabem de quem estamos roubando os abacaxis? Tu-uam os deu a Deus” e começaram a pensar sobre o assunto... E combinaram entre si: “Se os abacaxis são de Deus, agora não devemos mais roubá-los” Eles tinham medo de Deus.

Os abacaxis novamente começaram a amadurecer. Os nativos vieram para me avisar: “Tu-uan, seus abacaxis estão maduros”. “Não são meus, eles pertencem a Deus” – respondi. “É melhor o senhor comer, pois vão apodrecer”. Então colhi alguns, e deixei também para os nativos.

Quando me sentei à mesa com minha família para comê-los, eu orei: “Senhor, estamos comendo seus abacaxis, muito obrigado por me dar alguns.”. Durante todos os anos em que estive com os nativos, eles estiveram me observando, e prestando atenção às minhas palavras. Eles viam que as duas coisas não combinavam.

E, quando eu comecei a mudar, eles também mudaram. Em pouco tempo, muitos se tornaram cristãos.
O princípio da entrega a Deus, estava funcionando realmente. Eu quase não acreditei... “Mais tarde, passei a entregar outras coisas para Deus”.


*Extraído do livro A Verdadeira Felicidade (estudo sobre As Bem Aventuranças) – Jaime Kemp - Editora Sepal)

12 de outubro de 2016

Oração da entrega

Resultado de imagem para flores ao vento
Estamos agitados, queremos tudo resolver com nossas ideias, com nosso pensamento lógico. Assim pensamos que teremos controle das situações e da vida. Consideramos que teremos sucesso nas resoluções por que confiamos em nossa mente. Entregar é difícil... É abrir mão de tudo que construímos através do pensamento e da lógica... Até um dia descobrirmos que não temos controle da vida, e que muitos problemas não dependem de nosso raciocínio ou de nossa vontade para serem corrigidos. É quando precisamos confiar em Deus, e entregar em suas mãos nossa vida, compreendendo que Deus sabe bem mais do que nós de nossas aflições...

Por que vos agitais?

Confiai a Mim o cuidado de todas as coisas vossas. Eu pensarei.

Eu intervenho somente quando sabeis submeter-vos completamente a Mim. Eu não espero por outro. E quando vos submeteis completamente a Mim, não vos deveis preocupar com mais nada: deixai todo o medo, todo o desconforto.

Vós demonstrais não confiar em Mim: Confiai cegamente em Mim.

Submeter-se significa distanciar o pensamento das preocupações, afastar o pensamento das dificuldades, afastar o pensamento das dificuldades que enfrentais, distanciar o pensamento de todos os problemas que tenhais. Colocai tudo em minhas Mãos dizendo:

“Senhor, Pensa Tu, Seja feita a Tua Vontade!”

Que equivale dizer: Senhor, Te agradeço, tomaste tudo em Tuas Mãos para resolveres cada uma das coisas pelo meu próprio bem maior!

Submeter-vos não significa preocupar-vos pelo êxito de vossas expectativas, não significa preocupar-vos porque uma determinada circunstância teve um resultado diferente daquele que vós esperavas. E assim procedendo, demonstrais não acreditar no Amor que nutro por vós; demonstrarás não terdes confiança em Mim. Quereis ou não quereis que Eu pense? Então deveis parar de vos preocupar!

Eu vos conduzirei somente se vos submeterdes completamente a Mim. E quando precisar conduzir-vos por um caminho diferente daquele que vós esperáveis, Eu vos conduzirei com os Meus próprios braços.

Aquilo que vos deixa em agitação é a vossa mente, o vosso pensamento, a vossa preocupação, o vosso desejo de proverdes a todas as coisas. Quantas vezes Eu intervenho quando, em virtude das vossas necessidades espirituais e materiais, a vossa alma se volta a Mim dizendo: “PENSA TU” e depois fecha os olhos e repousa tranquilamente!

Vós recebereis muito somente quando a vossa prece for uma total confiança em Mim.

Na dor, vós orais para que Eu intervenha, mas para que a intervenção venha como quereis vós: não confiais em Mim, mas quereis que Eu me adapte a vossos pedidos. Não sejais como o doente que sugere a cura ao médico, mas sim como o doente que pede a cura. Não faça assim. Mesmo nas situações mais tristes, diga:

“Senhor, peço-Te e agradeço-Te por este meu problema, por esta minha necessidade. Peço-Te que disponha das coisas como melhor Te aprouver para a vida terrena e temporária. Tu sabes o que é melhor para mim.”

Se me dizes realmente:

“SEJA FEITA A TUA VONTADE” que equivale a dizer: “PENSA TU SENHOR. SEJA FEITA A TUA VONTADE.”

Então serei Eu aquele a pensar e quando necessário, realizarei até um milagre. Eu penso sempre em vós, posso ajudar-vos completamente somente quando vos afilieis totalmente a Mim.

Sathya Sai Baba
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...